15 de jun de 2007

Último dia

Lembrando que hoje, 15/6, devemos finalizar a edição do documento a ser entregue para o Ministério.

13 de jun de 2007

Os jogos on-line e as comunidades de realidades alternativas estão criando uma cultura digital própria?

Por Rafael Evangelista

Não. Afirmar a existência de uma "cultura própria", mesmo que digital, é algo forte demais. O que dá para afirmar, em lugar disso, é a criação,uso e propagação de certos sinais, hábitos, regras, que derivam da interação dessas pessoas nesse novo ambiente. E outro porém: ambiente digital não é uma coisa só. Dependendo das regras de interação estabelecidas por aqueles que controlam ou gerenciam o ambiente podem surgir práticas e regras implícitas diferentes. Por exemplo, podemos comparar os sistemas de compartilhamento de música.Um deles, o SoulSeek/Nicotine, tornou-se o espaço de interação decolecionadores de música, pessoas com gostos musicais diversos mas bastante específicos, admiradores de gêneros. É provavel que essas pessoas tenham ocupado esse espaço devido às regras do sistema de trocas de arquivos, que privilegiam a conversa entre usuários e a possibilidadede se visualizar a coleção de músicas dos colegas virtuais. Ao mesmo tempo, as regras foram ganhando esse desenho também por demanda dos usuários, que tem o perfil descrito. Outro exemplo, oposto, é o BitTorrent. Aqui o privilégio é dado a arquivos grandes e à velocidade. Assim, quem usa desse espaço em geral que baixar arquivos velozmente, se dispõem a compartilhar por longos períodos de tempo e, em geral, se interessa por arquivos grandes (como filmes ou discografias completas).Difícil dizer que isso forma uma cultura digital própria, são práticas de uso que variam.

A telepatia em números

Por Alfredo Manevy

O digital – em seu infinito desdobrar-se em uma matéria próxima do imaterial – parece ser o que há de mais inovador na produção estética contemporânea, se ouvirmos e olharmos para os novos grupos que acessam o cinema pelas câmeras de bolso, pelos celulares e sua telepática transferência de conteúdo, ou dos grandes cineastas que renovam seu estilo usando o digital como uma ferramenta de depuração ou manipulação de grãos pictóricos e fotográficos. É aliada do realismo ou do artificialismo: não uma ideologia, mas uma diversificação de meios, uma tecnologia propiciadora da crise total do sujeito e do olhar canônico herdado da tradição ocidental, e uma reestruturação das relações com o mais ocidental dos princípios de emancipação que herdamos do renascimento e do eurocentrismo, que hoje se auto-fagocita. O digital afeta a produção contemporânea em sua estética e em seu modo de produção e distribuição. Ele recria suas condições gerais. Torna os direitos de autor tão importantes quanto os deveres de autor. Ou seja, os direitos culturais são tão importantes quanto os direitos dos investidores materiais, tão importante quanto afirmar o acesso ao repertório cultural como direito social fundamental para o século XXI. É o que pode-se chamar de uma transformação estrutural, ou uma revolução, na medida em que a reprodutibilidade ( que o sábio Benjamin identificou como o desestabilizador
da sensorialidade pré-moderna) torna-se o meio positivo de rearranjo necessário da nova desordem, uma desmedida regulada por milhões de fontes reguladoras, porém mais flexíveis e dispersas, onde urge surigrem novas instituições culturais que cristalizem-se como discursos e formas. A digitalização da infra-estrutura tradicional de redes físicas surge como uma
forma reguladora flexível e porosa à demanda cultural.

12 de jun de 2007

Cultura digital: para além da fragmentação

Por Fábio Malini

A profusão da riqueza da diversidade da cultura digital faz minar, a cada dia, o quase finado conceito de homogeneização, proveniente da sociedade de massa. Na verdade, se há um traço peculiar no interior da cultura digital é o fato dela nascer e se desenvolver para arrebentar, de uma vez por todas, qualquer resquício da cultura de massa. Em especial, fazer com que toda e qualquer tentativa de docilização dos corpos e mentes seja espinafrada através de mobilizações nas redes virtuais.

A internet é uma política contra o padrão e a favor das singularidade de expressões e de produções criativas, mesmo que essas expressões sejam para lá de questionáveis. Quem habita em algumas comunidades virtuais do Orkut, como a Eu detesto o gosto da Novalgina ou Comunidade MSN Brasil, sabe que os sentidos produzidos nos fóruns de discussão geralmente ficam numa espécie de joguinho em que o usuário responde a indagações toscas, como “beija ou passa”. Bom... aquele sujeito mais moralista tende a condenar esse jogo semiótico como uma forma de comunicação vazia. Mas, para além de qualquer julgamento moralista, a diferença desses jogos toscos com os programas do broadcasting é que pelo menos o niilismo é produzido pelo próprio usuário em vez de atirado sobre eles.
Como ultrapassar o dilema da fragmentação

Bom, mas essa não é, para mim, a questão principal. O problema é que a diversidade digital é fragmentada. Muita gente falando, pouca, escutando. Então temos, pelo menos na aparência, uma contradição. Por um lado, a internet produz a fissura na lógica do sentido único do broadcasting. Acaba com aquele mundo em que “líderes de opinião” falam por nós. Mas, por um outro lado, se há todos falando, só há monólogo, e se há só monólogo, não há comunicação. É um big brother às avessas que vivemos. Uma forma de não haver entendimento e visibilidade é justamente fazer com que todos falem, mas sem canal de retorno. Assim a profusão de blogues, podcasts, mídias sociais da Web 2.0 ou ainda sites independentes, aumentam a difusão pública de enunciados, mas não os torna comuns. Geralmente aqueles colegas jornalistas mais cínicos aproveitam essa deixa e sempre me colocam o dilema: “tudo bem há 70 milhões de blogues no mundo, mas são quase sempre pautados pelo o que dizemos, ninguém ganha prestígio social se é citado por um blogueiro ou por uma publicação independente, e vamos e convenhamos uma comunidade no Orkut com 50 mil usuários não faz cosquinha na televisão, com seus milhões de espectadores”. A tese desses amigos cínicos é que a cultura digital é nicho. É cultura fechada no pior sentido do termo comunidade. São mobs. Tratam de grupelhos com uma nanoaudiência. E só.

Essa crítica que cimenta a diversidade da cultura digital à cultura da fragmentação é repetida até pelos setores mais à esquerda da sociedade, que sonham com o eldorado das lutas de massa. Mas a diversidade é algo denso porque se trata de um conjunto de singularidades que não se resume ao Uno (o partido, o estado, o broadcasting etc). O diverso é muitos. É multidão. Daí que nosso caminho político seja agora criar a Televisão dos Muitos, a Internet dos Muitos, a Rádios dos Muitos, a Imprensa dos Muitos. Ultrapassar a fragmentação é criar plataformas onde os Muitos possam se auto-organizar, auto-reputar, auto-coordenar e realizar uma livre troca de saber. A questão mais difícil é que, para fazer isso, não há modelos a seguir. É preciso construí-los. Além disso, estamos no interior de um desafio de como tornar a diversidade das culturas da rede massificada sem os dispositivos da cultura de massa. Experiências como o Overmundo, Digg ou ainda Slashdot, são boas soluções já testadas que mostram como é possível agregar aquilo que está fragmentado e expor, numa plataforma comum, a diversidade a um número maior de pessoas. Mas a característica dessas soluções é que não há a mediação da autoridade. É um auto-governo. Pensar a ampliação da diversidade é investir no auto-governo.

A cultura digital ultrapassa o Estado e o Mercado

A diversidade é produto desses Muitos. Mas tem razão os cínicos sobre a questão da fragmentação. Uma das formas de controle da diversidade é fazer com que ela própria não crie espaços públicos de convergência de suas expressões. Sabemos que numa sociedade do controle o direito da invisibilidade é até um ato de resistência. Mas o que acontece dentro das redes virtuais faz parte do tecido social. Não há fora. A cultura digital é produto dos múltiplos movimentos da sociedade. Mas, não vamos supervalorizar o fato de que a rede se transformou no espaço mais importante de distribuição da diversidade cultura. Isso porque o Estado e o Mercado ainda trabalham com a lógica da escassez cultural (é a velha forma da cultura de massa criar o valor de um bem), impedindo que a cultura floresça.

A cultura digital ultrapassa essas duas formas (o Estado e o Mercado) porque é construída para ser comum, porque quer manter a ampliação da socialização dos conhecimento e da cultura, a partir da abundância das trocas. Mas ela se trata de um devir minoritário. Ela é a tendência, mas não a hegemonia. Para isso precisamos propor uma agenda para que a diversidade não caía na cultura da fragmentação. Não há como avançar na preservação e multiplicação dessa diversidade sem que haja:
  • o estímulo à produção de ambientes agregadores da diversidade da cultura digital, mas que sejam criados e administrados pelos próprios usuários.
  • o estímulo à produção de mídias colaborativas em instituições de educação e cultura no sentido de ampliar a prática de expressão escrita, audiovisual e multimídia da cultura, como ainda produzir relacionamentos e redes sociais.
  • acesso à infra-estrutura de acesso universal e gratuito à internet via banda larga como política de comunicação das cidades. Isso para ampliar que novos produtores de cultura possam disponibilizar suas criações no universo das redes digitais.
  • o estabelecimentos de encontros (na forma de seminário, barcamp, wordshop etc) para ocupar a cidade com conteúdos e linguagens provenientes da cultura digital, ao mesmo tempo, para reforçar a participação social nos espaços públicos da cidade.
Queria terminar essa curta reflexão com uma frase do Negri que gosto muito:

A máquina é integrada ao sujeito, não como um apêndice ou uma espécie de prótese – como uma das suas outras qualidades – mas é profundamente incutida no sujeito a idéia de ser, ao mesmo tempo, homem e máquina. [...] O crescente caráter imaterial do trabalho social em geral indicam a nova natureza humana que reveste os nossos corpos. O ciborgue é agora o único modelo disponível para teorizar a subjetividade. Corpos sem órgãos, homens sem qualidades, ciborgues: essas são as novas figuras subjetivas; as únicas figuras subjetivas capazes hoje de comunismo

É isso aí, tal como o Sérgio Amadeu gosta de terminar seus discursos, o futuro é livre!

Áudio do bate-papo

A conversa sobre diversidade e cultura digital de ontem está disponível na íntegra em:

http://estudiolivre.org/el-gallery_view.php?arquivoId=4173

Até o final da semana o vídeo editado estará aqui.

Lembrando que temos até sexta (15/6) para fechar o documento a ser entregue para o Minc.

10 de jun de 2007

Bate-papo hoje

Participe da conversa sobre cultura digital e diversidade: hoje, segunda-feira (11/6), às 19h.

Em São Paulo: casinha do Estúdio Livre (rua Luminárias, 243, subindo a escada, Vila Madalena)

Pela web: bate-papo no irc.freenode.org, canal #metareciclagem

stream no http://estudiolivre.org:8000/gambiarra