5 de mai de 2007

Participe!

Aqui serão postadas as opiniões de ativistas e pesquisadores sobre a cultura digital e sua relação com a diversidade. Também será reformulada a versão beta do documento "Diversidade e Cultura Digital", escrito pelo curador e publicado acima, que conterá propostas para o incentivo da cultura digital no país e da pesquisa sobre o tema.

Um comentário:

Wagner Vinhas disse...

Parece paradoxal debatermos questões que estão na ordem mundial, como este tema da cultura digital na perspectiva da diversidade cultural, sem ao menos termos encontrado soluções aos problemas analógicos. A sociedade brasileira caminha lado a lado com as questões de um passado recente, junto com aqueles que estão na pauta das sociedades que alcançaram ao menos um equilíbrio possível em tais questões.
Em que medida podemos pensar uma cultura digital no Brasil? Os dados que falam sobre um crescimento da inclusão digital no país, não podem ser atestados no campo empírico. Fiquei surpreso ao trabalhar com um grupo da periferia de Salvador, em sua grande maioria ligados a associações de moradores, grupo de juventude e pastorais, em que o acesso aos meios tecnológicos e a Internet é muito limitado.
Quais são as bases de sustentação de uma produção de conhecimento através dos meios tecnológicos? Trabalhando com educação nos últimos seis anos como educador social, em cursos de graduação e pós-graduação, tenho observado a insuficiência do tempo de aprendizado, tão necessário ao amadurecimento, questionamentos e reflexões. O tempo pedagógico na sociedade contemporânea é acelerado, como o tempo em geral, disperso e fragmentado, com inúmeros fatores que contribuem para a ausência de uma postura centrada.
Quais são as bases democráticas na condução da implementação do Sistema Brasileiro de Televisão Digital? Com a definição do padrão japonês como tecnologia nacional, o governo adotou um caminho na contramão de um sistema plural e mais democrático. O que vinha sendo feito através da restrição da concessão as empresas privadas, negando as rádios comunitárias o direito de transmitir, foi neste momento atualizado para um processo excludente pela via econômica. No contexto mundial, o cenário que se apresenta na produção de comunicação e informação está restrita a sete empresas do ramo: Disney, AOL-Time Warner, Sony, News Corporation, Viacom, Vivendi e Bertelsmann.
Sociedade Tecnológica. No cotidiano podemos perceber o quanto os meios tecnológicos intermedeiam as relações sociais. As linguagens midiáticas estão cada vez mais presentes nos processos de comunicação e a cada momento nos deparamos com novos códigos que representam o mundo em que vivemos. Recentemente, trabalhei um artigo que relacionava a noção de pós-modernidade através de uma experiência ambígua entre mundos. Continuamente, estamos negociando elementos que estão entre a realidade empírica a qual estamos ligados e a realidade virtual a qual nos conectamos.
As novas tecnologias podem servir como um importante aporte à produção de conhecimentos. Contudo, não podem estar restritas ao uso abusivo e cobrindo todas as fases da construção de saberes. O que temos visto, particularmente, no interior dos estados brasileiros, como é o caso da Bahia, é uma utilização exclusiva através da Educação à Distância, com nenhum ou com poucos momentos presenciais. Podemos encontrar salas de aula com alunos olhando passivamente para uma televisão, como fosse possível trabalhar a educação apenas através da transmissão de conhecimentos, sem que haja diálogos entre educador-educando.
Por isso, estou tentado a acreditar que o processo reflexivo sobre a cultura digital, deve considerar questões históricas ainda não resolvidas. O meio não substitui o processo. Um caso emblemático e que atinge diretamente o tema da diversidade cultural, relacionando com essa dimensão da produção do conhecimento, é a negação dos saberes dos povos americanos. Nossas escolas, por exemplo, não estão preparadas e nem mesmo existe uma sistematização adequada dos conhecimentos para trabalhar conteúdos que possam dar conta historicamente, filosoficamente, antropologicamente ou sociologicamente do continente americano.
Existe um déficit histórico para com a sociedade brasileira, particularmente, com as camadas populares no que se refere ao reconhecimento dos saberes, construção de conhecimentos e democratização dos meios e processos de comunicação.